FOGO! Carta aberta a intelectuais frívolos e cientistas irresponsáveis

O que fica de NodeirinhoNeste artigo, Adela Figueroa Panisse describe en primeira persoa a experiencia vivida na visita que realizou o colectivo ecoloxista ADEGA a pasada fin de semana á zona cero do fatídico incendio de Portugal. Figueroa narra as súas impresións persoais, a cara máis emotiva da desgraza, o aprendido dos moradores de Castanheira de Pêra, Figueiró dos Vinhos ou  Pedrogão, que emprenderon un camiño na recuperación do seu bosque natural, e lanza unha crítica directa sobre aqueles que seguen a defender o monocultivo de eucalipto e un modelo forestal favorecer dos incendios.

FOGO!! Carta aberta a intelectuais frívolos e cientistas irresponsáveis

ESTIVEMOS NO FIM DE SEMANA EM Portugal. Na zona zero da grande desgraça. Do grande Incêndio. Nada pode haver comparável com o horror das chamas a rodear o TODO. A envolver o mundo. O ar e a Terra. Nada que possa devolver a vida as mais de 64 pessoas entrampadas na sua armadilha. Na Trampa mortal.

A Estrada do medo

A “estrada do medo” 

Essa gente tem nomes. Tinha nomes. Eu não os conheço, mas recuso-me a tratar deles por números. Eles/as amaram, abraçaram, desejaram, correram, brincaram e pagavam ao banco, como fazemos nós cada dia. Não eram culpados. Como não o são as vitimas da guerra.

Eu trato este drama de guerra. Uma guerra entre a economia que procura o lucro pronto, fácil e UNIVERSAL e a gente do comum. As pessoas que são utilizadas para cederem seu terrenos ante uma plantação única. Que vai ser facilitada polas empresas madeireiras e de pasta de papel. O lucro pode ser pouco para os indivíduos, mas é algo que fazer com aquela terreno que já não trabalham. Por serem velhos. Por viver longe, ou por ter perdido os interesses que o mundo da agricultura trazia. A maioria das pessoas, na Europa Ocidental, mora nas cidades. Herdaram aquele terra de seu avôs e ficam gratas por receberem alguns euros por cada corta de eucalitos. Turnos de corta cada vez mais ajustados. Diziam-nos em Castanheira de Pêra ou Figueiró dos Vinhos ou em Pedrogão, que estes turnos estavam agora nos 7 anos. As árvores queimadas que nós vimos eram delgadas, fraquinhas, direitas para o céu por mais de 10 metros de alto. O lume que prendeu nelas foi logo para acima, e fez as folhas e a cortiça saírem disparadas como bombas. Estas bombas não caem de aviões de guerra, são disparadas desde a Terra, como mísseis que logo prendem nas massas cerradas de eucalitos d’arredor.

a-casa-salva-pelas-sobreiras.jpg

Casa salva pelas sobreiras

Vimos hectares e hectares de massas dessa nefasta monocultura, em pê. De menos de 30 cmts de diâmetro, descascadas, desfolhadas na sua maioria. Mas ainda em pê. E como a natureza é um milagre, já começando a rebentar com novas folhas. Tudo ao se redor ficara morto. Os animais do bosque, desde o ar até o subsolo: Pássaros, mamíferos e vermes. Tudo o que faz a terra rica, diversa e viva para continuar o caminho da evolução biológica. (Os poucos que ainda sobrevivem baixo um eucalital!) Porque as massas de eucalitos, ainda antes de arder, já são letais para a maioria dos seres vivos. Isso é um fato comprovado polos cientistas. Mas nem era necessário seu contributo docto. Basta ver, ouvir e andar por entre as massas de eucalitais para termos saudade do canto de pássaros, Para votar de menos o voar dos insectos. Para lembrar como estranha o correr dalguma limalha.

As árvores nem são más nem boas. O que é errado é o manejo que delas podem fazer os seres humanos. Na Galiza estamos numa situação parecida a de Portugal.

Quer na Galiza ou Portugal o eucalito é a espécie mais abundante entre as massas florestais. Neste país o ultimo inventario ( 2013) regista 812.000 Hª.( o 22% da superfície florestal) Na Galiza o inventário de 1998 dava um monto de 174.210Hª e na atualidade está nas 390.000Hª, é dizer mais do 29% da superfície arborizada galega.

Mas estos são dados. Frios para discutir entre quem cobra do eucalito, e defende a tudo custo as suas plantação sem limites, e quem pretende que não se instale a sua monocultura como única opção para a Terra.

O que fica de Nodeirinho

O que fica de Nodeirinho

Os dados quentes são os milheiros de hectares ardidas cada ano. Os brigadistas morridos no salvamento dos incêndios, a perda de vidas e de Biodiversidade, o aceleramento do Câmbio Climático o empobrecimento da terra.

Os dados quentes são a criança abrasada em braços de seu pai dentro de um carro com os vidros fundidos pelas altas temperaturas. Os dados quentes são o grupo de bombeiros voluntários que queimado seu caminhão deitaram-se sobre as pessoas para as ampararem com o seu corpo e seus trajes antifogo. Os dados quentes são as populações em desamparo porque todas as estradas por onde fugir eram caminhos de fogo mortal.

Os dados quentes são as terras queimadas que irão cair até os rios ou as rias para acabarem seu percurso mortal invadindo de cinzas as águas .As cinzas são ricas em Sódio, que forma soda caustica em contacto com a água, rebaixando o seu PH e provocando fortes alterações no ambiente mortais para a maioria de peixes, mariscos e bicheria dos meios aquáticos.

Depois de termos visto o de Portugal, e concluir que isso poderia ter sido igual na Galiza há que se definir. Não valem frívolas elucubrações acerca de manejos de dados para fazerem com eles malabarismos. É a realidade, que sempre é teimosa, a que se impõe.

Há que acabar com esta política florestal!!

Aparecem iniciativas vizinhais valiosas, como as de Casal de São Simão. São movimentos cívicos que devem ser apoiados. Pretendem um trabalho comum de eliminação de eucalitos a volta da aldeia numa franja de 500 metros, e mais:

Um bom caminho corta lumes com lugar para virarem os caminhões e , ainda, charcas no alto , recolhendo as águas da chuva, que vão manter o terreno húmido e disponibilizar irão de água para eventualidades de incêndios.

Pretendem preservar e repovoar com as espécies próprias da zona: Sobreiras medronheiros (érvedos) que nascem lá espontaneamente. Restituir os habitats que a sucessão ecológica criara durante centos de anos. Gerando riqueza no lugar que possa atrair novos moradores.

Acolheram-nos na sua casa com todo afeto e carinho para explicar-nos seus planos. O povo é que se está a mobilizar de maneira calma e civilizada. Esta iniciativa é seguida também pola aldeia vizinha de Ferreira muito mais afetada polo grande fogo que Casal. E irá se estender a outros lugares como exemplo de boas praticas cidadãs.

ADEGA apoia esta ação de defesa contra o lume. Esta iniciativa voluntária e generosa de trabalho comunitário. Junto com a Associação Quercus de Portugal tentamos preparar atividades em comum de apoio a vizinhança sempre que eles quiserem e solicitem ajuda. No máximo respeito as iniciativas nascidas da base do povo.

Estas iniciativas têm o valor de estourar nas caras da classe política para que estas tomem conta do valor do COMUM e preparem leis estritas de ordenamento das florestas e do território. Mas as leis não chegam. Têm de serem cumpridas.

Na Galiza existem muitas limitações a plantar eucalitos. Mas ficam no papel. ADEGA tem feito, mais de trezentas denuncias no que vai de ano sobre plantações ilegais de eucalitos e só uma mínima parte foi atendida e obrigado a levantar as árvores.

Cúmplices são a Confederación Hidrográfica que mira para outro lado e põe mínimas multas sem qualquer perigo para os infratores. A Xunta que ordena arquivar as denuncias, os guardas florestais que não cumprem com o seu papel e deixam fazer, etc. Toda uma estrutura corrompida que colabora para que o BEM COMUM da Terra seja apenas para uns poucos poderosos , grandes industrias que mandam mais que os governos eleitos polo povo. Os catedráticos de Universidade que fazem florituras com dados manipulados e procuram o favor de quem lhes paga são cúmplices também. Não queira a “providencia” que uma desgraça como esta lhes caia na consciência. Poderão viver com ela?.

LUME1

Membros de ADEGA, Quercus e moradores de Casal de São Simão.

Nós definimo-nos por uma política florestal diversa. Polo aproveitamento integral do Monte e do Bosque, pola diversificação de culturas e polo cumprimento da LEI.

Ainda: As massas de eucalitos devem ser eliminadas nesse continuo perigoso e agresivo que têm na atualidade. A política tem de ser global e social.

Recuperemos os nossos bosques: Caducifolios, diversos e adaptados ao ambiente local. Eles fizerom de corta fogos, já nos grandes incendios do 2006 e mostrarom outra vez esse valor protector no grande incêndio de Portugal.

Advertisements

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair / Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair / Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair / Cambiar )

Google+ photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google+. Sair / Cambiar )

Conectando a %s